terça-feira, 30 de junho de 2009

Have you found your famous look-alike? Maybe you'll be millionaire!

By João Lopes Marques (Eesti keel)

I not only acknowledge but I also respect that a huge percentage of the human population wants to be famous. Dreams of glory are normal: fame is money, power, vanity, recognition. To some extent life can become easier, though one has to be prepared for losing his beloved privacy. Another minus is that the famous person tends to behave in order to fulfill social expectations on him.

(Amy Winehouse or Britney Spears are just two recent cases; others, many others, ended up in suicide.)

Why this subject? Because I have just landed in Ülemiste after one week Madrid. My business is nowadays more and more centered in the Spanish capital and I have to go there often. And this is why something is haunting me: in Madrid almost everybody looks at me in the street. Disturbing, since I was never famous in my life, let alone in Spain.

Last month I asked my friend Filipe to pay more attention while by me. Puzzled, he confirmed my strange impression: "You are not joking. It is really amazing! How come?"

"You see now? I wasn't lying. Grandmothers, lorry drivers, nice young girls, their boyfriends, the butcher, subway commuters, waiters in Plaza Mayor... Well, you name it..."

I guess this is becoming the weirdest phenomenon in my life — and not necessarily connected with my Baltic-Iberian aura. Not at all. This time is serious. Different: I believe somebody is mixing me up with another person; and that other person must be somebody quite visible in Spain.

For sure this wouldn't be the first time somebody told me I was a look-alike. When I was younger, lots of people asked me if I wasn't Paulo Futre , a popular Portuguese footballer in the 80's. Then, another Portuguese footballer entered Big Brother Celebrities (Jorge Cadete ) and lots of teens and grannies started pointing their finger towards me. By that time, friends and acquaintances who wanted to please me opted by comparing me with Hugh Grant . And more recently — even if walk well again — I became Dr. House due to the success of this American TV series.

Actually, I guess all these boys have a lot to do between them — much, much more, than I have to do with them.

Sorry for the delusion.

So who is this mysterious celebrity Spainiards think I can be? In order to find it out (Filipe didn't know) I sent an email to my beloved Polish friend Kinga. She has been living in Madrid for at least five years. Besides being curious she is one of the wittiest and sharpest people I have ever met.

Her answer was pretty automatic: "Come on, you should know you look like this Argentinean actor. He is quite popular in Spanish TV..." The guy was named "Ricardo Darín".

"Ricardo Darín?" Hmm... Above all, he looks too old to be me (or I seem too young to be him).

No matter how talented this gentleman might be, he is not my style at all. Yet it would have been much worse if I had been compared to Frankenstein or Quasimodo. Truth to tell, Mr. Darín seems a good compromise in the end.

Besides all, it is always a good asset to look like a famous guy. I have just read that Britney Spears look-alike (Lorna) earns over 50,000 euros a year dressing, singing, acting and dancing like her. In times of crisis, while my books don't pick up as I had dreamt, I can be employed full-time as an extra or as a decoy to mislead Mr. Darín enemies or potential assassins (among other minor tasks).

No, I am not joking. Mr. Stalin himself used to hire four look-alikes, which proves at least two other things: the look-alike industry is a profitable one; there are plenty of people in this world who look like us.

And vice-versa, for sure.

domingo, 28 de junho de 2009

Guerra das Estrêilas



É o segundo da série. Ainda melhor do que o Dr. House açoriano. Nada como Guerra das Estrelas e o respirar ofegante micaelense de Darth Vader. Acreditem, isto é muito bom. Quem está por detrás da máscara? Bom, ninguém me tira César da cabeça, Carlos César...

domingo, 21 de junho de 2009

Saramago legendado... em português



Só mesmo os brasileiros e a sua tremenda incapacidade fonética. Ainda por cima, as legendas nada mudam: é mesmo só porque são duros de ouvido.

sábado, 20 de junho de 2009

"Noite" em estónio



Que as noites estónias podem ser ou muito longas ou muito curtas, já se sabia. O problema é mesmo pronunciar a palavrita com duas letras no idioma local: "huê-ê-ê", algo assim. Pior: a grafia assemelha-se às orelhas do Rato Mickey.

Alga se passa



Sim, alga se passa.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Crying children & other modern pollution

By João Lopes Marques (Eesti keel)

This text is about tolerance, or the absolute lack of it. There are few things as bad as going out to our favourite place and, in the next table, we bump into a young baby who cries as loud as possible. We are enjoying the brunch, the music is nice, our company just perfect. Yet... that furious baby! He is so annoyed that prevents us from hedonisticly spend a good time.

Finally the bill comes (not-that-cheap-anymore-as-you-may-know) and we pay for a terrific headache. Yes, I guess this is slightly unfair. And "unfair" is soft: this is nasty. The same applies to a dog that barks too much or just adores to leak your toes while you are finishing the last sip of cappuccino.

"In other words what you are saying is that parents should stay always home, isn't it?", commented Triin who became recently mother of one. I know this is a very cruel image, but from a pure sensorial angle it is an objective aggression. For sure, things get much worse when the children are unstoppable and parents just don't do anything to take over the situation. Some even start screaming and/or beating their children. Wow! This is the moment we all become actors in a Italian neo-realistic movie.

Bear in mind please that I am not talking crisis in the sky. This is very understandable: children need to fly as well and their sensitive ears are the first to feel the pain caused by altitude changes. I bet most of you have already flown with a desperate children in the next seat. However, I also bet this wasn't the best flight you have ever had.

Modern life and the search of hedonism entitled parents to export this domestic chaos to public spaces. It is a small revenge, for sure: nannies are barely affordable and to find a responsible one is a pain in the ass.

I am not a father, as you can already guess. Actually, I woke up for the subject some ten years ago because of a friend. He is a posh gay who loves to indulge himself with nice environments. "There is nothing worse than having to bear others' children", he told me once. "But don't you think you are just being too gay?", I replied then.

Likewise, I was extremely surprised the first time I spent a night in a hotel that forbade children & pets. It was in Cape Cod (Massachusetts) and they were serious on this topic. If you pay some 500 dollars per night, do you want to be disturbed by a small evil? A hypothetical stomachache isn't already risky enough? A sprained ankle?

We all were children once, but the topic raises some ethical considerations from both sides. Should parents feel guilty? Disturbed ones should complain about such a natural and human thing? In the end, common sense has to prevail. Otherwise: would you ever take your noisy offspring to a sophisticated cafe which plays New Age music?; to the late evening cinema session?

One thing is undeniable: after the smoking ban, noise will become the next big thing. There is too much pollution in the air. Thus three solutions are left to a common mortal: a) stay home (from 2 EEK); b) invest in a iPod (from 2000 EEK); c) buy noise blockers for your delicate ears (from 37 EEK).

The good news for the shocked parents is that if such a noise bill is passed it will start by the motards. How can we tolerate a motard parade downtown with such awful bangs-vrums-bangs-vrums produced by their engines and escapes?

You see? Hopefully, things in this cruel world are very relative. Present and future babies — and their respective parents — don't have to panic. No doubt chasing the motards will be the priority. Then we can proceed with damaged CD's, stupid fridges, loud coffee machines, mobile phone ring-tones, disturbing laughters and unnecessary blown horns.

Yes, young devils: you will have another decade to terrorise me.

Deus em Istambul

video

Um Deus passeando pela brisa da tarde, sem dúvida. Talvez mesmo dançando com a brisa da noite.

Saudades de Galata



Nem é tanto pelo chá. Muito menos pelo crepúsculo. O que eu gosto mesmo na Ponte de Galata é a chamada para a oração acompanhada de um herético tinto da Anatólia. E de apertar aquelas mãos todas em dizer que sim, que gosto muito do Ronaldo, e do Figo e... Tem a sua piada, Istambul deixa-me sempre saudades. Oh, como eu gosto dos seus cacilheiros e das deliciosas sandes de peixe a três liras (ou quatro)!

Canal caveira



Assim em turco, a coisa mete ainda mais medo. Credo. E logo duas juntas!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Elton nas panelas



Supermercado em Riga. Dois iogurtes, duas bananas, duas maçãs, Elton John. Faz ele anúncios a panelas? Será ele paneleiro (fabricante ou vendedor de panelas)? Nada disso. Este é o chef Martins Ritins, um dos letões mais famosos e sósia perfeito do cantor britânico. Em 2006 tive o privilégio de o entrevistar para a "Volta ao Mundo", um senhor.

terça-feira, 9 de junho de 2009

"În caz de incendiu", já sabe

Por João Lopes Marques*

Uma invulgar cumplicidade (latina) une a Roménia a Portugal. Idiomas bem diferentes, sem dúvida — mas com algumas frases demasiado semelhantes. Os mais talentosos conseguirão juntar umas 30 palavritas portuguesas que farão pleno sentido juntas. Enfim, ideal para os adeptos do very nice…

Talvez seja um clássico para os amantes do Conde Drácula, Bram Stoker e demais sugadores de sangue. Mas aqui segue novamente: se descontarmos as placas do Grupo Lena e MSF na berma da estrada, uma das primeiras palavras em que uma sensível alma viriata tropeça mal aterra na Roménia é… portucala. E se no cimo deste derradeiro “a” acrescentarmos um estranho sinal em forma de meia-lua tombada — símbolo que escapa a este lusocêntrico teclado —, pronunciá-la-emos então “portucália”.

Muito bem. O resto é uma questão de minutos. Os mais curiosos rapidamente notarão que a tão familiar “portucália” designa nem mais nem menos do que um colorido fruto chamado “laranja”. Quanto a “Portugal”, o país propriamente dito, é mesmo Portugalia — como a bem-amada cervejaria da Pascoal de Melo, dispensando todavia acento agudo no “a”.

Claro que nesta noite de pesadelo tamanha cumplicidade latina jamais passaria despercebida a Nicolae. O recepcionista do Hanul Manuc — simpática unidade hoteleira no centro de Bucareste — é adepto ferrenho do Steaua. Só podia. Pior é que transmitem a eliminatória contra o Lyon no preciso momento em que faço o meu check-in. O encorpado Nicolae não desaproveita tal oportunidade para vingar frustrações; disparará sem misericórdias: “Espere aí, disse-me você que vinha de Portugal… Conhece o Carlos? O Carlos-guarda-redes?”

Parece que Portugal é mesmo conhecido pelos frangos, e não só os que levam piri-piri. Bom, lá lhe fiz perceber que em matéria de guarda-redes não vou muito além de Ricardo ou Vítor Baía. “Carlos? Vagamente, muito vagamente…”, contestarei. Confesso não perceber aonde Nicolae pretende chegar, pelo que o meu descomprometimento é tácito. Lá me orientará o quartito single a que tenho direito e onde em muito boa hora comprovarei ser mesmo a Roménia o tal país latino que se queixa de flutuar num oceano eslavo.

A telenovela da Zona Romántica é hoje venezuelana, um desses admiráveis culebrones: “Yo no soy parte de esa película, porque voy a enfrentar mi papa! Voy a desposar Rosarito!” Assim seja, Rafael. Dá-lhe com a alma! Minutos mais tarde, o noticiário levanta-me a pálpebra: “Viktor Iuschenko care a contestat rezultatele si a conduz Revolutia Portocalie.” Como? Houve uma revolução em Portugal? Outra? Cavaco Silva defenestrado? Sócrates exilado? Só mesmo as imagens em directo de Kiev dissiparão a confusão — este portocalie é traduzível para “cor-de-laranja”.

Evidente que o mote para a insónia estava dado. Sobretudo por me virem à mente aquelas piadas ancestrais, uma certa frase ressonante da minha pequena infância: “João, sabias que em romeno ‘Cu carne de vaca nu se moare de foame’ significa exactamente o mesmo que ‘Com carne de vaca não se morre de fome’?” A pronúncia, essa, nem sequer muda; se quisermos caprichar, amaciemos apenas os erres.

São nove palavritas seguidas que resultam num belíssimo very nice. Pois decidi que nessa semana de Bucareste o iria repetir à exaustão. Tem piada ver o mais fleumático dos romenos a arregalar os olhos; e até o próprio Nicolae engolirá todos os franguitos do Carlitos ali mesmo à minha frente.

O problema é que estas larachas provocam vício. Alienam. Damos connosco a elevar a fasquia. Haverá alguma frase mais longa do que “Cu carne de vaca nu se moare de foame”? Conseguiremos impressionar o mais circunspecto dos romenos? A obsessão cresce a cada minuto. Devoro revistas, digiro telejornais (com e sem a trança da Timoschenko), faço algumas experiências. Nada. Mas é que nada mesmo: por muito que nos esforcemos, o romeno fica mais longe do português do que gostaríamos.

Contudo, um daqueles acasos faz-me ganhar o dia. No corredor do Hanul Manuc, um enorme letreiro dispõe: “În caz de incendiu.” Sem prestar atenção ao plano de evacuação dependurado no hall, releio: “În caz de incendiu.” A fonética embala-me enquanto tranco a porta, parece que é mesmo verdade: “Em caso de incêndio.” Daí que a soma ocorra tão célere quanto espontaneamente: “În caz de incendiu, cu carne de vaca nu se moare de foame.”

O meu espírito rejubila no elevador. Ajeito o colarinho da camisa, passo a mão pela melena e ainda repito a bela frase quatro vezes diante do minúsculo espelho. Com redobrado cuidado na dicção, é óbvio: “Em caso de incêndio, com carne de vaca não se morre de fome.” Mais uma vez: “Em caso de incêndio, com carne de vaca não se morre de fome.” É que ainda por cima faz todo o sentido. Acho que Nicolae vai gostar.

Claro que o Nicoale gostou. Dá-me uma palmada nas costas, sim, com este corpanzil já deve ter mesmo digerido todos os churrascos do Carlos. Repito a piadola “În caz de incendiu, cu carne de vaca nu se moare de foame” e ele vai serenando. Perfeito. Mais umas palavras na oração e quase seremos amigos. Já agora, vinte por cento de desconto também vinham a calhar, amigo.

Caramba, “vinte por cento”? E porque não? “Speranta moare ultima.”

* Crónica publicada originalmente na revista "Volta ao Mundo".

Eu, Tallinn e o DN

Claro que fiquei feliz com o título da peça do DN. E já quem me perguntam, e se insistirem mesmo, mesmo-mesmo, claro que Tallinn é muito melhor do que Valpaços (ou Caparica).

O Vítor dos hotéis

Vítor adorava hotéis. Todas as semanas, e mesmo que fosse na sua própria cidade, dormia num novo hotel. Eram sempre diferentes e nem todos assim tão baratos: "Nada como abrir a porta e sentir a surpresa de ver o quarto onde vamos dormir." Vítor apreciava a disposição das mobílias, se tinha ou não secretária, a banheira e os mármores da casa-de-banho, a cor da colcha e cortinados. Anteontem não gostou muito do quarto deste hotel. Confessou em voz alta, mas logo lhe explicaram que isto não era bem um hotel. Dormiria aqui na penitenciária; havia demasiadas facturas por pagar.

Lindbergh no eBay Deutschland

Já não era sem tempo. As voltas que um livro pode dar: Lindbergh em português num leilão alemão. De todas as formas, a meta será sempre a edição em quechua num leilão uzbeque.

Somos (sumos) Portakal!



É oficial: em Istambul já todos me chamam "Portakal". Que na Roménia éramos laranja, há muito sabia (ainda hoje prometo colocar a crónica da "Volta ao Mundo"); agora na Turquia é novidade para mim. Eis a foto de um moço a acabar de me espremer; o retrato fiel de uma nação feita sumo.

sábado, 6 de junho de 2009

Rei de paus



Digamos que tem a sua piada. Vale o que vale. Já fazia Don Juan estes gestos nos seus tempos do Dafundo (Algés)?

Última palavra

"Gostas de ter sempre a última palavra!", irava-se Marta. Naquele princípio de tarde (de fim de Agosto) percebeu que estava coberta de razão. "É ou não é?", insistiu. "Sim", respondeu-lhe Francisco caindo-lhe nos braços.

Territórios proibidos



Franquear esta misteriosa porta do Aeroporto de Riga pode ser perigoso. Uma viagem sem retorno? Estar assim entreaberta só convida ainda mais à tentação. É perniciosa e tem muitas zona, e assim mesmo, zona no singular.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ronaldo ou Ronhaldo?



Dia 10 de Junho é que vai ser. No dia de Portugal e das Blábláblá e Blábláblá, a selecção portuguesa desloca-se a Tallinn para uma importante partida de futebol (para nós aqui, claro). Os cartazes já estão espalhados pela cidade, aproveitam uma fotografia de Ronaldo ainda chavalinho. A ver se o rapaz se porta bem: vamos aqui ter o Ronaldo ou o Ronhaldo?

Haiku de merda

Levava uma Fuji, Mas do monte fugi, Sim, do Monte Fuji.