sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Nascer no lugar errado

Passava os dias a lamentar-se de ter nascido no lugar errado. E Aníbal estava coberto de razão: nunca nenhum obstetra conseguiu explicar cabalmente como foi possível ter ele nascido de cesariana da barriga da perna direita do seu pai.

Pingo Doce

Tinha um piercing no nariz e as unhas verdes. Mal, mal, era se tivesse um piercing verde no nariz e as unhas perfuradas. Há supermercados que valem pela sua caixa. Senti um pingo doce.

Agora não, SFF



Agora não, desculpem lá. Estou ao telefone. Homenagem a uma banda e a uma música que marcou a minha vida enquanto jovem adulto. Confesso: também me recorda a revista "Onze". Eram os tempos do Michel Platini no Saint-Étienne (Les Verts).

Creta concreta

Adamopoulos agitou-se quando todos esperavam que se congratulasse com o acordo alcançado. Dezassete semanas de helénicas negociações (desgastantes, ainda por cima). Vociferou: "Mas será que não me faço entender? Quero uma proposta com Creta!" O bem-intencionado Haristeas ia tendo um baque. Não percebeu logo à primeira, mas, sábio como era, rabiscaria mais tarde no carcomido documento: "Onde se lê 'mansão em Hidra' deverá fazer fé "T3 no centro histórico de Hania'."

Massa crítica

Um esguio, embora relativamente longo, fio de esparguete (espaguete). No São Francisco Xavier poucos clínicos têm hoje dúvidas de que aquela foi a famigerada massa crítica. Felizmente que Abel já está melhor e a narina nem dói muito.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Global warning

Portugal andava tão tropical que Abílio começava a ter receio das monções. Medo. Pavor. Terror. Horror. E dos melgaços também.

Torre de pizza

Mesmo que a fome prevalecesse, Silvio economizou sempre a última fatia (enfiava-a no bolso). Investiu uma vida inteira naquilo, e sem olhar à variedade: quattro stagione, parmigiana, margherita, capri... Chegado a casa, empilhava as sobras com máxima destreza, habilidade, o que não impediu a ligeira inclinação da sua inaudita torre de pizza.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Quim

Há na humanidade (e se me permitem grafarei com minúscula) uma pulsão cruel, indomável, para furar. Perfurar. Esburacar. Penetrar. A do imberbe Quim era o berbequim.

O Ferro da Madeira

Muitas vezes chove, copiosamente até. Mas o Sol da Madeira é ardente. Sanguíneo. Aquece-nos bem. Isto, naturalmente, nunca porá em causa a condição do Ferro: é, e sempre será, um fantástico condutor.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Copo com água

Gustavo tinha sede. Muita. Entrou na Balalaica e pediu um copo de água. Nessa tarde, Elisa estava a servir ao balcão. Sentiu-se tentada a levá-lo à letra. Viu nele (ou naquele pedido) um homem sério. Hoje são casados e Gustavo nem sabe bem se é feliz. O que ele queria mesmo, e já mo confessou, era um valente copo com água (da torneira que fosse).

Petersburgo

Não há nada neste mundo (nem no outro, haja ele) mais admirável do que os Invernos de Petersburgo. São de uma matemática coerência. Rigor: o termómetro finta o zero e o Rio Neva gela. É bonito de se ver e, só deste momento, até me dá vontade de ir já a correr buscar os patins.

Golos de capoeira

Num primeiro instante, assim que a notícia foi conhecida, tornada pública pelos pasquins da República, ninguém nela quis acreditar. Um guarda-redes com gripe suína? Impossível. Recordo-me até que o circunspecto Pablo comentou alto e em bom som, dando uso àquele vozeirão tonitruante que nos embevecia a todos: "Mas ainda não perceberam que é boato? O que um guarda-redes pode ter no máximo é gripe das aves..."

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Dream Team

Maurice era o único que vestia sempre a camisola. Todos os outros jogavam de peito aberto, invariavelmente. Formavam uma grande equipa, mas esses foram tempos em que ainda não faltava paixão a este jogo.

Laços de ternura

O jantar de Consoada foi substancial (peru, como soía acontecer). A conversa prolongou-se muito para além do conhaque, sempre contígua ao presépio, e prolongar-se-ia, não fosse Mónica anunciar finalmente a justa retirada. Solícita, e com desusada veemência, sua mãe ainda a acompanhou à porta, e somente para frisar: “Volta sempre, minha querida. Sabes que cá em casa tu és como se fosses da família...”

domingo, 25 de outubro de 2009

Corpo, mente e alma

Nunca se cansava Brites de apregoar, a torto e a direito, e à esquerda também, que muito valorizava a actividade física. Não que o sentisse de facto. Antes porque, achava o sedentário Brites, e com alguma razão, tal retórica pressupunha as mental e espiritual.

Oriental

Com aquele feitiozinho, feitiozinho pilantra, e pelo andar da carruagem, não era de estranhar que Edgar tivesse perdido o último comboio. Deixou-se ficar em Xangai, engolido por aquele tão característico esgar do Oriente.

Quando o Mario lançava granadas...



... ouvia-se muito bem o estrondo. Escutaram? Ainda por cima em technicolor! Bom, agora vou apanhar os estilhaços...

sábado, 24 de outubro de 2009

Vale e o Paraíso

Porventura embalado (inspirado) pelo seu apelido, Azevedo usava e abusava da expressão "vale o que vale". Houve amiúde quem o tentasse esmurrar, o que, a verificar-se, seria mais um desses gestos que valem o que valem. Tão ou mais do que este relato, observação, consideração, que, enfim, convenhamos, também vale o que vale.

Florais de Bach

Quiseram tirar Bach à Parede, mas esqueceram-se dos tubos nos órgãos. E da bravura dos clavicórdios da Linha, sempre aliada à tenacidade das espinetas de Algés. Mais do que uma coincidência, foi nesse mesmíssimo ano que se deu a revolução dos cravos.

Oitimismo

Da primeira vez foi genuíno. À segunda também. As outras seis foram menos inocentes, é certo, mas em todas prevaleceu a crença pura. A fé cega. Iñaki era um oitimista.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

É bonito, pá!

Disse um atum ao outro: "Vamos fazer um bonito!" O parto correu bem e viveu o rebento bem conservado. Em óleo de girassol, que por acaso nem é de todos o melhor.

Ainda não me esqueci da tua promessa, Pénis Robin



Memórias trazem memórias, e vice-versa. Cock Robin sempre foi um bom nome.

Aerofagia (mas já não faz)

Esgotaram-se as tampas de esgoto e a Federico não sobraram demasiadas alternativas. Agora é mais condutas de gás (apesar das bocas do incêndio).

Kalinka (Red Army + Leningrad Cowboys)



Porque "kalinka" é afinal um fruto silvestre. A melhor e mais arrebatada interpretação que vi até hoje. O meu exército de glóbulos vermelhos ainda rejubila. Vivam os Leningrad Cowboys e o Russian Red Army Choir, claro.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O ossobuco

Não tenham compaixão pelo que ele é, ou pelo que já foi. Não há manhã sem que lhe atirem sete tenros cães. Entretém-se a devorá-los jornada fora. É um ossobuco, pronto, mas olhem que um ossobuco dura se roer.

Doenças do coração

"Desgosto de amor?", perguntou-me o doutor Freixinho, mas só retoricamente. Notando-me um paciente impaciente, ainda apôs em esforço: "Coma amoras, homem. Coma muitas amoras..." Não sei se lhe gabo a truculência. Sobretudo porque acho o doutor Freixinho um tudo-nada silvestre.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Snus

Magnus esperou que a chuva (saraiva) amainasse para iniciar a derradeira descida. Um pormenor que passou despercebido aos socorristas de Södermalm: o snus mal fermentado que o acompanhou anichado ao canto direito do lábio superior. Emprestou um sabor diferente àquele encarpado (e encorpado) mortal.

domingo, 18 de outubro de 2009

2109

Eses fueron los tiempos del cristiano Ronaldo. Cien años han pasado y las masas idolatran a un otro pequeño diós. Le llaman "Musulmán Ronaldo". Sí, algo ha cambiado con la llegada del nuevo siglo.

Rakvere

This year Priit didn't campaign. He opted for offering sweets to people. A short candy date in the streets of Rakvere. Another brilliant idea of the young candidate.

sábado, 17 de outubro de 2009

The name of the race

"Never think the hare can always beat the tortoise. But the tortoise can always decide to be much slower than the hare."

Paul Rabbit

Quilograma

Tinha ideias ao quilo. E até acreditou que podia viver daquilo. Mas ninguém qui-lo. E muitíssimo poucos o gramam.

Semente

Quis Ele que Valério prosseguisse os seus estudos no seminário de Vimiães. Mingua a prata, encolhem as opções. Mente irrequieta, seminal até, lutou Valério até exaurir todas as energias: os primeiros trocos ganhos na faxina foram gastos num (desinteressante) semanário de Viana.

A pêra de Adão

Assegurou-me o Padre Pedro que se Deus tivesse dado uma pêra a Adão, provavelmente não exisitiria humanidade. Ou então que tínhamos todos um olho negro. Não só agradeci ao Padre Pedro a explicação como passei a ter muito mais respeito por maçãs reinetas. Essa coisa do pecado e morte tem muito que se lhe diga.

The unstable horse

This is the sad story of the homeless horse that was always falling down. One day his beloved master finally asked him:
— What's wrong with you, dear horse?
— Nothing is very wrong, my master. I just feel very unstable...

Situação líquida

Rafa e Gui eram muito parecidos. Demasiado. Confundiam-se. E terem exactamente o mesmo gosto também desajudava. Somente a situação líquida para tirar as teimas: um era passivo, o outro activo.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Crimeia

Nunca se chegou a descobrir o móbil do crime, menos ainda o seu cruel autor. Mas isso era despiciendo para Matias. A consciência pesava-lhe. Mudou-se para a Crimeia e ali viveu os dias que lhe restavam, contava-os, contabilizava-os, e sempre com o mesmo ar condicionado que a ninguém deixava indiferente. Morreu, ou faleceu, à primeira constipação.

Quase o modo

A sua profissão era ser simpática, para isso foi contratada. Contudo, e por qualquer sortilégio, não o era. Nunca o foi. Mas ninguém esquecerá aquele sorriso largo e franco que esboçou no dia em que foi despedida. Emocionante, quase. Quase.

Cruzes nos canhotos

Nem Silvino admitia que o repreendessem: dava-lhe um prazer sádico arrancar violentamente os bilhetes e começar a fazer (desenhar) cruzes nos canhotos. Sinistro? Silvino dizia-se de esquerda.

Do verbo rolar

Desde a antevéspera do Dia da Hispanidade, e de Colombo, que aquela escadaria não mexia. É que nem um degrau. Chamá-la "rolante" tornara-se manifesto optimismo de alguns (e não assim tão poucos).

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Interniet

Eu estava ali há uma boa meia-hora. Malditos emails, nem chegavam nem partiam. Vi-me forçado a gritar bem alto: "Ivanovich, pajaulsta!" Ele aproximou-se (ainda com o casaco de couro vestido) e asseverou-me grave: "Interniet..."

Chaussures, bottes et ballerines

Dizia-me Fabien que não devemos usar os mesmos sapatos dois dias seguidos. As plantas dos pés também precisam de ser regadas.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Sonhos trocados

Há muito que Rita se queixava de andar com os sonos trocados. Mas grave, grave, foi o dia em que trocou os sonhos. Não se sabe bem quem, mas alguém, e muito longe, acordou sobressaltado com um pesadelo que deveria ter sido apenas dela.

Allmodóvar



Sempre gostei muito deste trailer do Que Fiz Eu Para Merecer Isto, sobretudo dos diálogos e das legendas em neerlandês, que é uma forma muito mais elegante de dizer "holandês".

O Janeiro

Os seus ganchos (direitas) rapidamente se tornaram famosos. Em Alcoentre e não só. Apesar das banhas, das banhas anafadas, Janeiro era um verdadeiro campeão. Um preso-pesado.

domingo, 11 de outubro de 2009

Alívio

Lívio sentia um estranho alívio sempre que as frases encaixavam. Lembro-me que naquela semana andava particularmente eufórico: estava em Colónia de férias depois de ter passado em Faro para o negócio.

Já está, já está

Ela era frígida; ele rápido demais. Talvez por isso a relação durasse. Perdurasse. Sobretudo devido àquele instante, tão ínfimo que um dia houve alguém que teve a infeliz ideia de a chamar à razão. Pena. De outra maneira, nem ela se teria apercebido que ele ejaculava com precocidade, nem ele que ela era álgida. Pois quem o fez não o deveria ter feito: ela agora é infeliz com outro (consta que um reformado do Württenberg); ele prepara-se para a Maratona de Sines.

Vimiães

A jornada decorreu ordeiramente em Vimiães. Voto após voto, as urnas foram-se enchendo de papelinhos brancos, qual deles mais geometricamente dobrado. Há quem garanta que foi inclusive um dia bonito, de comunhão, só interrompido pela chegada precoce do crepúsculo. Ainda não era noite cerrada quando foram finalmente a enterrar.

sábado, 10 de outubro de 2009

Jacquie

Jacqueline adorava pronunciar a palavra "Sorbonne" (ainda mais do que "crème brûlée"). Conta-se que numa só noite foi capaz de a dizer mil vezes (o que nem é muito).

Vida(s)

Ágata vivia de tal forma a vida dos outros que se esquecia de viver a sua própria. Por vezes acreditava até que não estava viva. E não estava mesmo, pois fui eu que a inventei agora (agora mesmo).

Fotomaton

Careta? A verdade é que Márcio odeia rir-se para objectivas. Assume até ao fim, e mesmo depois do flash, a sua subjectivíssima subjectividade.

Pevide bom, pevide mau

No soalheiro dia em que Justino atravessou o campo de girassóis (o tal de que vos falei a semana passada) deixou-se perturbar por um detalhe: quatro das flores não olharam para si. Desde então nunca mais comeu pevides.

iZorro

Amigo da onça

Eurico tinha muito ouro. Os conhecidos chamavam-lhe amigo da onça. Eurico nem se importava assim tanto: "Se ter muitas onças é ser amigo da onça, então serei mesmo amigo da onça..." E dita esta sábia frase, punha-se novamente a palitar o dente de ouro.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

As maias

Já quase tudo se escreveu sobre a abelha maia. Inclusivamente melodias que só conspurcam a sua doce (e digna) condição. Não será altura de alguns senhores começarem a dirigir as suas diatribes contra a abelha inca? A azteca! Caramba, será assim tão inebriante o mel do poder?

Banquete

Esta é a breve história dos convidados que se afogaram no copo de água. Com muita tristeza dos noivos, sublinhe-se uma vez mais.

Ling já não gosta de Ming

Ming fartou-se de o avisar. Não gostava que ele lhe chamasse "vaso". Fanfarrão que é, Ling nunca disso fez caso. Até ao dia em que a prima lhe vazou um olho (julgo que o direito).

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Pensão

Dizia-me há dias o Rogério que, agora que os miúdos estão finalmente formados, só quer envelhecer para receber a pensão depressa. E que se for um hotel ou uma residencial também não se importará muito.

"Cobretor"

Nunca percebi bem, e confesso-vos isto com toda a minha sinceridade, por que razão lhe continuam a chamar cobertor. Se cobre não deveria ser "cobretor"? Não bastasse, o tipo ignora a função. Esquece-se: acordo todas as manhãs com os pés de fora.

Taipé

Formosa. Ela ia segura e bem formosa. Ele elegantíssimo. Ming começou o dia noiva, passou-o casada e adormeceu viúva. Wu sabia que não devia nem podia beber demais: "Será que o fez por não gostar o suficiente de mim?" As dúvidas de Ming eram fundadas. Legítimas. Muito mais do que o mórbido voyeurismo catódico que nessa semana negra varreu Taiwan. Formosa, aliás.

Vão-se os cabelos, ficam as raízes...



Há dias já tinha dado o mote. O Salão Jony, que fica aqui bem no centro de Helsínquia, fez-me pensar duas vezes: havia que dar umas valentes tesouradas naquela trunfa (e "trunfa" já era optimismo). Bom, foi há bocado. Minutos. No Jony. Foi carote (um roubo), mas a Iman fez um excelente trabalho. Kiitos!

O sonho de Sasha

Sasha pagava sempre com cash, que é um vocábulo inglês e muito bonito. Trazia-o sempre na pequena pochete negra de couro siberiano. E assim destrocou aqueles dinheiros no dia em que comprou a viatura. As notas de dólar ainda cheiravam ao patchouli das meninas e tal coincidência não passou despercebida no stand. Antes pelo contrário.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

domingo, 4 de outubro de 2009

Baleia branca

Só me recordo de ouvir o Ricardo a gritar alto e em bom som: "Olha! Olha aqui a baleia branca!" E depois mergulhou de chofre, assim a despropósito. Sim, ainda avistámos a tal baleia branca, branquinha como as suas nalgas de adolescente. O Ricardo é que nunca mais: desconfia-se que foi um tubarão. E logo azul, que é a cor de que eles mais gostam para se confundirem melhor com as águas do mar.

Arriba! Arriba!



"Arriba", talvez. Mas não por muito mais tempo (ou será que se esqueceram da erosão?).

La ignorance

Dizia-me o professor no momento em que me chumbou na oral (energúmeno!): "Não se preocupe, Lopes Marques... Neste mundo patético em que vivemos, a ignorância é cada vez mais um privilégio de poucos..."

sábado, 3 de outubro de 2009

Rio 2016



Um grande vídeo do Fernando Meirelles. O Brasil vai lá... Ontem tivemos a prova de que se sabe vender. E, claro, ter um Lula gigante ajuda sempre...

This post is a test and very soon you will understand why

Cristiano Ronaldo Rio 2016 Tokyo Olympics Chicago Obama Michelle Raúl Juan Carlos Madrid Rio de Janeiro Mourinho Favela USA Spain España Sapatos Kenzo Armani Portugal Lisbon Treaty Terrorism Economist Economic Downturn Crisis Interest Rates Banks José Sócrates Tsunami Indonesia Sumatra Terra Java Brazil European Union EU José Barroso Tony Blair Bill Clinton Osama bin Laden Eusébio Amália Rodrigues Oktoberfest New York Munich Beer Red Wine Galão de Máquina iPhone AppStore Download California Hitler Viagra Sex Longevity Hairloss Pills Surgery TV Coca-Cola Coke Pepsi Drugs Heroin Dope Pot Cambodia Vietnam China Russia Vladimir Putin Medvedev Gordon Brown Georgia Morocco Marrocos Oporto Porto Airplane Free Gratis Braga Lindbergh Charles A. Lindbergh, Nani Manchester United Chelsea London Paris Brussels Kandi Goodmorning Público DN Escutas Cavaco Silva Army Afganhistan Pakistan India Cricket Australia Sharks Zoo Octopus Italia Italy Barcelona Lonely Planet Guide Travel Rent-a-car Amsterdam Tallinn Estonia Riga Moscow Helsinki Sweden Japan Argentina Maradona Versace Cocaine Messi Kaká Ibrahimovic Guardiola Carlos Pepe Toros Joaquín Sabina Pedro Almodóvar Nazi Communism Communists USSR Mexico Flu History Sporting Olympic Games Benfica FCP Luís Figo Futre Guterres Eanes Vasco da Gama Colombo South Africa Bob Marley Google Yahoo Microsoft Bill Gates Jimmy Carter Cider Red Wine Alcohol Fanta Helsinki Finland Expensive Seoul Soul Music Melbourne Tasmania Gulliver Lilliput Roman Emperor Cesar Rubicam Young Old Post Bar Pub Restaurant Ravintola Mafia Drugs Saviano Gomorra Sicilia João Lopes Marques Filipe Araújo Blablabla Media Facebook Twitter Paulo Querido MEC

Chiquitita banana

"Mas tu achas que eu vou mesmo comer uma chiquita no pão?" Mário não adorou a minha resposta. Com a banana suspensa na mão direita, a carcaça na outra, percebi-lhe a boçalidade: "Problema, problema, camarada, é continuarem a tocar a Chiquitita numa flauta de pan!"

Coffee machine

Nesse já longínquo 1987, ano de boas memórias, a máquina do café do Alvorpraia foi o grande fenómeno do Barlavento. Ninguém perdia um dos míticos pequenos-almoços na residencial. Os hóspedes encavalitavam-se e creio que até a imprensa de Faro chegou a aparecer. Normalíssimo: nunca antes se ouvira falar de uma máquina do café que jorrasse chocolate.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

O organista

O organista passava os seus dias agarrado ao órgão. Davam-lhe o lá e até metia dó. Cedo se celebrizou. Em Kurtenwald chamavam-lhe inclusive "o Bach da Westfalia". O problema, os problemas, surgiam apenas na calada da noite: obcecado, Klaus recusava-se a largar o órgão. Pobre Birggit, que se viu obrigada a apresentar queixa à polícia.

Uma questão de estilos

Sinto que o Manuel Lino anda baralhado. Passeia-se cabisbaixo pelo escritório: parece que descobriu há dias que tem uma filha gótica. Felizmente que o mais velho é românico.

Corridinho

Inese olhou-me com aquele desprezo tão báltico e, quase encostando o seu nariz ao meu, disparou à queima-roupa: "Todo o parvalhão sabe tocar acordeão!" Ainda me tentei iludir com o seu hálito a rosas, mas levantei-me e saí. Estou triste: porquê logo naquela manhã em que lhe ia dedicar um corridinho?

Craque

Este é um momento especial pois dentro de uma dezena de segundos, porventura menos, veremos como Pedro partirá a fíbula, fábula difícil de descrever mas que acontece neste preciso instante. Agora. Pronto, já está. Conseguiram ouvir o craque?

Haiku de merda

Levava uma Fuji, Mas do monte fugi, Sim, do Monte Fuji.