segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Laços de ternura

O jantar de Consoada foi substancial (peru, como soía acontecer). A conversa prolongou-se muito para além do conhaque, sempre contígua ao presépio, e prolongar-se-ia, não fosse Mónica anunciar finalmente a justa retirada. Solícita, e com desusada veemência, sua mãe ainda a acompanhou à porta, e somente para frisar: “Volta sempre, minha querida. Sabes que cá em casa tu és como se fosses da família...”

3 comentários:

Paulo Freixinho disse...

Acho curiosa a utilização do verbo soer, verbo que quase eliminei das Palavras Cruzadas (algum feedback que me pressionava para não utilizar termos antigos)... mas o facto é que tu o usas e ainda bem...

Amplexos e ósculos,
PF

Sophia disse...

Estamos ansiosos pelo Natal...ou invadidos pelo merchandising elevado e antecipado em demasia?!

sónia disse...

Adorei o soía... E a vaquinha com o burrinho que tão bem misturam com o conhaque! A D. Consoada é tramada!

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.