Avançar para o conteúdo principal

Necessidades

Via-se que o embaixador estava em necessidades. Era cada vez mais notório. Indisfarçável, apesar do protocolo. Deixando escorregar o croquete por entre os dedos, e antes de tombar, ainda sussurrou à esposa: "É em baixo a dor..."

Comentários

_ricards_ disse…
O Pôr-do-Sol foi no Palácio das Necessidades?
sónia disse…
Croquete tem algo de protocolo, de diplomacia. Todavia também tem o reverso da medalha: algo de intestinal, de baixo-ventre. Por esta e pela outra não como croquetes.
Obdulio Ortega disse…
Após a dor parida e a paralisia atestada pelo colo feito concreto, a morte foi anunciada, tendo a fita preta como item protocolar.
Anónimo disse…
Estaria ele acroquetizado.
sónia disse…
Não sei por que obscura razão gostei ainda mais agora deste mini-conto do que quando ele apareceu pela primeira vez.
O que poderias fazer com embaixatriz? Pensa um pouco... Por um triz e o que é triz? Isto é mesmo viciante!
Não vais pousar na Feira do Livro em carne, osso e alma? Se sim, guardava a minha compra iberiana para esse dia e esperava por um autógrafo e uma conversita entredentes e sorrisos, pois seria uma verdadeira implosão para mim semelhante encontro :)
Sónia, sónodia 8 de Maio, mas conto contigo na Feira do Livro ao fim da tarde. Ficarei muito feliz por te conhecer finalmente... Isto como boa maratona que é não dá para grandes conversas, só para nos irmos refrescando com uma isotónica e passando a esponja pela testa (e muito de vez em quando)...

:-)
sónia disse…
Obrigada pela dica João! Vou fazer todos os possíveis para que tal aconteça a fim de ter o teu (que depois será meu) livro autografado :) Não te preocupes que não sou assim tão faladora nestas situações, pois fico muito envergonhada e sempre com receio de incomodar. Estou mais à vontade na escrita em que digo mil e um disparates.

bjs e bom trabalho!

Mensagens populares deste blogue

Internacionalismo coxo

Foi interessante (e interessante é uma palavra interessante). No dia em que saí à rua com suíças tive de regressar a casa com estas canadianas. Ou melhor: com as canadianas amparando-me a mim e às suíças. Felizmente que não são mutuamente exclusivas.

Cabeçudo (I)

Marcar um golo de cabeça a 57 metros de distância não é para todos. Aliás, é só para os melhores cabeçudos. O Salmão dá os parabéns ao norueguês Jone Samuelsen... Jone, e que saudades tenho dos nossos lindos fiordes...

In baguette we trust