quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Os três gémeos de Odense

Eram os três gémeos, embora só outra coisa venham a ter em comum. Berthold caminhava a olhar para o chão, pois assim mais fácil se tornava tropeçar numa nota ou moeda perdida, quiçá num objecto ainda mais valioso. Bjørn projectava o olhar numa paralela ao chão, em frente é que era, só assim podia antecipar as novidades que se escondiam atrás da linha do horizonte. Bernt passeava-se boquiaberto a fitar as estrelas, cria numa que lhe iria indicar o caminho. Claro que nenhum teve mais sorte do que o outro. Somente a felicidade de morrerem na mesma tarde, e já quase na passagem de nível.

2 comentários:

Cláudia Assis disse...

Porque nem só de ouro, incenso e mirra vive o homem. Afinal, a morte é o único endereço certo. E se é para ser assim, que ao menos não seja sós.

Rocío disse...

Enquanto a morte chegar, continuo a olhar para o chão (se não te importas) :-)

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.