quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Verve, ferve, verne

As últimas páginas da obra foram de todas as mais apetecidas. Saborosas. Alex sentiu-se embalado, tinha finalmente mão livre para descer. O problema é que não conseguiu levantar a calcinada tampa de esgoto aqui da rua (ninguém consegue). Típico. Deu meia-volta e, jogando-se para dentro do primeiro táxi, ouvimo-lo agora a rogar ofegante: “Uma viagem à terra do Centro…”

Sem comentários:

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.