segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Vida interior

Stephan comeu-o vivo, o que não foi, nem de perto nem de longe, a mais sábia das decisões. Opções. Teve de (con)viver com ele no bucho até ao final dos seus sofridos dias. Estranha criatura, aquela: Manfred adaptou-se muito bem e lá refez a sua existência nas entranhas do companheiro. Com certas (bastantes) limitações, evidentemente.

3 comentários:

Rocío disse...

Curiosa y bella historia :-)
¿Antropofagia?
También evoca la eterna dualidade del Hombre (doctor Jekyll y Mr. Hyde) ;-)

João Lopes Marques disse...

Misantropofagia, porventura. Ou amor. As fronteiras já me confundem.

;-)

Rocío disse...

Pregunté, no aseguré (hay dos lindos signos de interrogación) :-)

Canibalismo, amor... Es díficil marcar los límites. No sólo a ti te confunden las fronteras :-D

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.