sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Cartaya

Nunca em momento algum Jiménez se cansou de apregoar: "Somos o que comemos." Volta e meia, e por vezes com notória falta de oportunidade, o indivíduo lá repescava a orgulhosa frazesita: "Somos o que comemos." Claro que foi estupidez nossa não o termos associado logo ao mistério de Cartaya.

1 comentário:

Manu disse...

Coitado do Jiménez. Tanto fez, tanto fez, que acabou virando uma "moça" com seios postiços, vestido, salto plataforma.Transformou-se.E ainda dançava "El amor brujo.

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.