sábado, 23 de janeiro de 2010

Sede de viver

Agora que começava a criar raízes, sumiram. Há uns bons dez dias que aqueles palhações não põem os pés em casa. Sinto-me mesmo murchinha.

5 comentários:

L disse...

Foram para outro circo os palhaços...Talvez para o tal do Soleil

Manuela disse...

Não se preocupe "mobein".
Arrume outro.

Pode até cantar:

"Tanto riso, oh quanta alegria
Mais de mil palhaços no salão
Arlequim está chorando pelo amor da Colombina
No meio da multidão"
(...)

sónia disse...

Por essas e por outras, há quem prefira o ar em detrimento da terra... Dorothy foi tão feliz quando levantou voo! Quem não arrisca, não petisca, pois haverá sempre palhaços com asas (de cera). Esta particularidade poderá ser a grande satisfação para quem cria raízes e se queixa da sede.
No futuro, contaremos com substitutos e clones, então, sim, qualquer sede será saciada.

Miguel Palma disse...

No tempo da outra senhora, aquele das varandas e dos pátios, em casa, seres sem patas só para comer, e com quatro, as cadelas dos maridos, estranhamente desidratados por estarem sempre a matar a sede.

Anónimo disse...

Será que encontraram a liberdade???

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.