sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Conto de embalar

A descida era apetitosa e Massimo deixou-se ir. E ainda lhe deu mais gás, e mais, e mais. E mais. E foi tanta a embalagem, e sempre mais, que acabaria mesmo numa dessas sacas de plástico.

2 comentários:

Rocío disse...

Descidas costumam ser mais perigosas do que subidas. Convêm ser sensato e não "embalar" muito para não precisar nunca mais de Fiona & CIA (nunca me lembro do nome da outra "gaja")
-risos-

Manuela disse...

Água de morro abaixo, fogo de morro acima, ninguém segura..já dizia a Dona Cotinha da Serra do Rola Moça.;-))

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.