segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Jogo de espelhos (quebrados)

Não foi uma noite como as outras. Mais curta, desde logo. Martina sonhou que estava a meio de um sonho lindo onde sonhava com outro sonho menos lindo que lhe dizia que devia era estar acordada. Enfim, deu um pinote e foi-se pôr a beber chá de tília. Creio que ainda rabiscou umas linhitas, mas nada que se aproveite.

7 comentários:

Miguel Palma disse...

Martina sonhava que devia estar acordada. O sonho lindo, infelismente com "z" (para não chatear os imaculados correctores luso-tropicais anónimos), nunca existiu.
Para que seria, então, necessário inspirar umas estimulantes linhas depois de uma relaxante tília?

Sofia Martins Baleia disse...

Isso é o que acontece quando se dorme do lado errado da cama. A nossa visão sobre o espelho fica invertida. É o cargo dos trabalhos. A Alice que o diga...

Keliane disse...

Existe um licença poÉtica que exime o escritor de seguir regras ortográficas. Nunca se deve corrigir poemas, poesias, letras de músicas... enfim, tudo que se enquadra no amplo mundo das artes, pois o autor não se apropria da gramática formal, mas sim da expressão artística para dá intenção a obra.

Sofia Martins Baleia disse...

Não podia concordar mais com Keliane.

StormInTheMorningLight disse...

http://www.youtube.com/watch?v=WWyc_xgKkZI

=)

sónia disse...

Espelhos quebrados, quantos? Por cada um 7 anos de azar! Não há linhas que se aguentem no meio de tantos estilhaços! É varrer tudo e... caixote do lixo.
Numa outra noite, os sonhos cruzar-se-ão iguais a si mesmos, sem (contra)dicções e um chá verde ou branco pela manhã dará a magia às palavras.

Manuela disse...

Essa palavra linhitas é o máximo. Chá de tília é chiquetoso..rsrs

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.