sábado, 27 de fevereiro de 2010

Legítima fantasia

Sempre que aliviava a bexiga, Iuri deixava-se consumir por um inconfesso delírio: para quando esse grande dia em que teria o seu próprio iurinol?

3 comentários:

Manuela disse...

Delírios viciosos:-)

Eduardo disse...

Um lírico sonhador esse Iuri !!!

sónia disse...

Há sonhos tão realizáveis que até me dá uma crise de inveja!!!

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.