terça-feira, 27 de julho de 2010

A florista que se julgava Ava Gardner

Disse-lhe para entrar e que não, que não era preciso despir-se. Arregalou os olhos e sentou-se como uma diva no divã. Sem que nada lhe pedisse, pôs-se a falar de tudo e o seu contrário. Demais. Ainda lhe sugeri uma sinopse, mas apenas me chegaria uma sinapse. Frouxa: era mesmo grave.

16 comentários:

Manuela disse...

Não estava tão grave. Seria gravíssimo se ela encarnasse o Boris Karloff.
Vc estava perdido. :))

Rocío disse...

Era caso para teres medo mesmo: "o animal mais belo do mundo", "a mulher pantera", "o mais fascinante felino de olhos verdes"... Para fugir (ou não) ;-)

Já não há mulheres como aquela/s (suspiro)

Camelinha disse...

De fato parece complicado. Porém, há um ponto que não entendi bem e que pode esclarecer muita coisa. Ela se despiu mesmo? a sem vergonha? ou é apenas figurativo? (sabe aquelas palavras trocadas que os escritores usam para fazer bonito, falando uma coisa mas querendo dizer outra bem diferente?)

Manuela disse...

É isso.

Explicam-se pouco. Enlouquecem-nos muito....

Manu disse...

...alguma coisa aconteceu neste conto..
Acho que o autor dá uma farpada no nosso entendimento..
Camelinha foi cutucar a onça..pronto..

Anónimo disse...

Cada um despe(de)-se quando quer.

Manu disse...

verdade!

Anónimo disse...

...conheci um vendedor ambulante que se julgava o Humphrey Bogart - na sua alucinação, apadrinhada pelos seus bajuladores da mesma têmpera costuma rematar: "teremos sempre Paris"...referia-se a um boteco ali numa ruela de Lisboa...e lá se foram as Avas Gardners da sua vida...menos mal...acabou com uma corista que se julgava a Floribella...

Anónimo disse...

já eu conheci um carinha que se julgava o Hugh Grant e era-o de fato mas aí a coisa virou- nova personagem havia de ser inventada para colorir a sensaboria...

Anónimo disse...

bem, a coisa pegou : eu, por mim, conheci alguém que pensava ser um Prince Charming na rua mas era mais um Shrek em casa ou mesmo um Lobisomem. Claro que como todos os psicóticos, na vida social, passava por um gentleman, um bom fruto de uma árvore podre, quando na vida privada soltava a fera que havia em si e ai de quem lhe puxasse a máscara...houve um dia em que se enganou...foi puxada e lá a Encarnação de Deus na terra assumiu a sua faceta de Demónio...

Anónimo disse...

...quero dizer, assumir nunca assumiu, um cobarde, uma encarnação de um réptil em gente, nunca assume o que faz- a culpa é sempre da vítima-, mas que a máscara caiu ai isso caiu...para alguns manteve-se é claro, o jacaré tem o papel social bem decorado- anos e anos de prática, escondendo a sua maléfica natural natureza...

Anónimo disse...

Isto está um divã.

Anónimo disse...

Hugh Grant era divine.

Rocío disse...

Pois... Isto está um divã mesmo (cheio de anónimos) hmmmm

Eu, por acaso, gosto é de "Ladrões de Orquideas" (ou seja, gosto de quem persegue a inspiração quando esta teima em fugir de nós) :-)

Rocío disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Manuela disse...

Inspiração é o que não falta neste espaço. Mais do que isso..criação.
Flores do amanhã também é bom.;)

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.