segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Podia ser pior

Farta de violência doméstica (fartinha), Laia rogava-lhe agora por violência pública. Alguma. Alguminha. E porque não ser espancada à vista de todos? Ou de alguns, pelo menos? Sinceramente, nem era assim tão mau.

4 comentários:

Anónimo disse...

...psicopata que se preze tem estratégias mais distorcidas...grosso modo há 2 tipos de agressores domésticos: os brutamontes e os psicopatas cirúrgicos, alguns deles filhos de brutamontes com psicopatas femininas...no fundo, um apuramento congénito da brutalidade...

Obdulio Ortega disse...

Nosso grande irmão vive de nos espancar em sessões públicas, o qual nos oferecemos com despudorada alegria, para deleite da assistência, incluindo a nós mesmos, que corremos para conferir no tubo.

Manuela disse...

O Anónimo explicou tudo. Grande comentário. Beijos pra você:)

Isabel Metello disse...

Vais-te lembrar destas palavras para o resto da tua vida: por mais poderes socioeconómicos reticulares que tenham, jamais conseguirão aquilo que querem! Jamais, nem que eu tenha de ir ao fim do mundo expor a vossa porcaria! Como tal, amanhã, vais ver qual a diferença entre quem tem coluna vertebral e quem é totalmente desfibrado! Queres 15.000 € ou 240 dias de prisão conformes às ameaças do teu amiguinho até por um espancamento de que fui alvo, coincidentemente, em 2006, depois de vir de uma conferência? É o que vamos ver! Por cada Lágrima da minha Filha, que merece e merecia Respeito e Felicidade, terás uma praga na tua vida para o resto da tua existência, tudo em que tocares definhará, mirrarás por cada ofensa, cada calúnia, cada dia, cada hora que a vossa corja nos roubou; acabarás os teus dias velhinho a pedir Perdão de joelhos a Deus pelo que fizeram, garanto-to!

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.