domingo, 20 de fevereiro de 2011

Neptuno e a sardinha megalómana

Ninguém a dissuadindo do sonho em ser tubarão, dirigiu-se a sardinha a Salomão. O rei explicou-lhe que o estava a confundir com "salmão", as letras podem ser importantes, decisivas, e esta vogal era-o mesmo. Magnânimo e paciente, ainda lhe endossou o cartão de um homólogo, que a sardinha agradeceu com um triplo estrebuchar. Com o sangue a fervilhar na guelra, vislumbrando a possibilidade ser mesmo tubarão, cruzou três mares e dois oceanos até chegar à presença daquele que ainda hoje é o indiscutível monarca das águas. Neptuno. A audiência ainda lhe seria concedida, a custo e só quatro dias depois, mas o diálogo que se seguiu não é digno destas linhas. E pobre sardinha, que vive hoje em nenhures e com um bem afiado tridente espetado no cu(zinho).

6 comentários:

Sandrinha disse...

O planeta anda carente de Omega 3.

Austra Lopes Pithecus disse...

E, se a sardinha tentasse o Atlas, filho de Neptuno, que carrega o Mundo às costas e por isso está habituado a missões, quase, quase... impossíveis !

ob disse...

É uma velha história. Quantos, como a sardinha, são sumamente desejados e, ao invés de sentir-se bem com o fato, preferem ser extremamente temidos como o tubarão? Por outro lado, que inusitado esse ser, que abandonou o seu cardume e seu modo coletivo de ser para buscar a solidão da individualidade!

Rocío disse...

Tivesse, logo no inicio do conto, tomado o rei Salomão uma das suas salomónicas decisões (cortar, a falta de bebê em disputa, a sardinha pela metade)e o fim da nossa intrépida protagonista teria sido bem diferente: hoje seria patê de sardinha, sim, mas não teria o tridente espetado em tão dolorosa parte

Austra Lopes Pithecus disse...

Volto imconformado, desculpem.
Sandrinha, você sugeriu Omega 3 .
Eu, aconselhei o Atlas.
Ob, você dissecou a ambição.
Rocio,a você apeteceu-lhe patê.
É Óbra !... Esta sardinha ainda que mal sucedida na vida, deve abanar contente o seu rabinho ( mesmo com o tridente lá espetado) de nos ter suscitado tantas canseiras intelectuais.

Austra Lopes Pithecus disse...

Razão têm os meus vizinhos autralopithecus quando me chamam analfabeto. Eu, ainda me desculpo que escrevi,cansado do dia de caça, mas, na melhor das hipóteses, eles promovem-me a burro...

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.