quinta-feira, 2 de junho de 2011

Calafrio

Tímido e desajeitado como era, Simão ainda tentou quebrar o gelo. Mas Rocío não só não se derreteu como fingiu nem o ver. Uma vez mais, deixou escorregar o copo por entre os dedos. Bem devagarinho e denotando alguma perfídia. Um tudo-nada enojada, e antes de se evaporar da sala, o Jorge, o Francisco e o Roberto ainda a ouviram murmurar: "Limpa, Neves."

4 comentários:

Rocío disse...

Mas deves reconhecer que até me derreto com frequência (ou não seria eu orvalho mas escarcha) ;-)

sónia disse...

Sei que nada tenho a ver com este post, mas só me lembrei de Angola... Limpa, Neves!

ob disse...

Do calor ao frio... Do calor de Angola ao frio das neves, do calor tépido das oficinas onde se arquitetam trapaças à frieza com que se lhe aplicam! De resto, só o orvalho da manhã para trazer esperança.

HMM disse...

ahah!

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.