segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Às armas

A época de saldos chegou e, como manda a patriótica canção, não a devemos desperdiçar: às armas, portanto. Ontem fui bem cedinho e ainda consegui a minha Uzi por 14,99 euros. As bazucas e granadas de mão também estão baratas. A Mena pediu para lhe trazer duas, anda arreliada com as baratas na cozinha. À criançada comprei meia-dúzia de kalashes, dizem que agora é a moda lá na rua.

3 comentários:

Rocío disse...

En los tiempos que corren, esta propuesta tuya me parece la mejor inversión.
Lo que no sé es si podré esperar hasta noviembre para que me traigas las armas (la situación es crítica) ;-)

Leonardo (de Avintes) disse...

Ora,ora,isso são armas ligeiras quando a conjuntura impõe uma elevação do nível para armas pesadas. Para as baratas sugiro o Morteiro e para os "ursos" que nos constrangem cada vez mais o dia-a-dia,talvez o Canhão-sem-recuo.
"hasta noviembre", se a encomenda não chega, recomendo à Rocio (a minha vénia neste primeiro diálogo...) que utilize SP(mistura de (Sheltox c/Paciência.

Rocío disse...

Hoje matei (assassinei) mais uma cara barata. Cara pela trabalheira de a apanhar porque corria mais do que eu (também não me admira: afinal sempre me avantajava em 4 patas)
Receio que, caso o João não aparecer cedo com os Kalashnikov, não haverá paciência que me salve (do Sheltox nem se fala... não me dou bem com química)

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.