terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Ínfimas nuances

Agarrando-me no braço, Mary ainda berrou: "Nigel, cuidado com a tampa!" Tarde demais, e isto sem equacionar o engano: era trampa mesmo.

4 comentários:

Manuela disse...

Oh!

Miguel Palma disse...

Escatológico. Por que raio a merda está tão subtilmente associada a Deus?

sónia disse...

Uma tampa sabe sempre a trampa!

Manuela disse...

João Nuno tudo na santa paz???;-))

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.