terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Direcção geral

A cada passo em frente, a convicta Marianne dava dois para trás. Mais um à frente, mais dois atrás. Por vezes víamo-la até a viajar de costas na passadeira rolante do Pompidou. Mais importante, e estranho, continuava a avançar, a avançar sempre. Tudo depende da direcção.

8 comentários:

Anónimo disse...

acerta o couchon-mor...as direcções sempre foram contrárias e ainda bem..sinal de que as galochas não trazem o chiqueiro disfarçado de plateau cheio de charme para trás...

Anónimo disse...

...aliás, Marianne faz questão de andar em sentido contrário, dado que não há Pompidou que safe quem tanta porcaria esconde por detrás...

Anónimo disse...

...até porque: de novo, a mesma pergunta de retórica- porquê tanta azáfama dos couchons-mor para proteger a própria pele ? Ao menos, Mariannne não protege a sua pela sua, Valores muito mais Altos se Levantam e Marianne está no seu posto até ao Fim...go and tell your little friend...how! the so called "gentleman" already knows! tuff luck!

João Lopes Marques disse...

Quanta amargura, "Anónimo"! Volte sempre, tentaremos ajudar (auxiliar).

Austra Lopes Pithecus disse...

Marianne de modo sábio lançou perplexidades.A prova está à vista!...Jonas, bem poderia ter titulado:A ANÁLISE E OS FENÓMENOS COLATERAIS DA ESTRANHA CAMINHADA DE MARIANNE. "Tudo depende da direcção", disse ela! Inteligente ,provocante charmoso.Afadiguem-se, comentadores, na descoberta dos desígnios de Marianne:Fá-lo porque cia*?Fá-lo pelo cio? Fá-lo, porque é cedo para chegar ao seu gabinete (na Direcção-Geral)? Ou, fá-lo, para evitar tirar o soufflé do forno antes do tempo ?

Austra Lopes Pithecus disse...

Em tempo: não confundir com CIA, é antes, a forma de forma de progredir remando para trás ou ao contrário.

Manu disse...

..acho que ela tem uma alma mineira.Só não acertou o passo..acorda menina...:)

ob disse...

Na direção do progresso, no sentido da evolução. Quanto cada vez mais adiante andarmos, mais perceberemos o tanto que devemos voltar, até o ponto ao que somos essencialmente.

Moleiro

Tinha aveia para o negócio.