Avançar para o conteúdo principal

O meu 12 de Março



Como esquecer? O meu primeiro estágio começou num 11 de Março. "O meu 11 de Março", como sempre gostei de brincar. Estávamos em 1995 e passaram-me uns takes para fazer uma breve sobre a Irlanda do Norte. Antes, estivera oito meses em casa à espera de uma resposta. Um talvez que fosse. Tinha acabado o curso de Relações Internacionais e tinha a ideia fixa de me tornar jornalista. Interessante idiossincrasia do sistema, a minha faculdade não tinha quaisquer ramificações com o mundo profissional. Nem um Erasmus consegui fazer, credo, como era complicadinho nesses tempos. Depois ainda estagiei um ano de borla no Diário de Notícias até me atirar para um curso de formação profissional no Cenjor. Um ano com uma bolsa de 37 contos e desemboquei no Público, a recibo verde, naturalmente. Hoje, 16 anos depois, estabelecido como freelancer e decidido a manter-me assim até mais não poder, vítima de uma portugalite que me auto-impôs Tallinn como casa, sinto algum alívio. Porque se passaram 16 anos e a teimosia tem compensado, porque pressinto um recomeço: este é também o meu 12 de Março. Há uma geração de portugueses onde eu finalmente me revejo. Em quem acredito. Eu tenho 39 e eles 31. Ou 18. Ou 23. A precariedade começou há muito e em Portugal bebe quase sempre do mesmo: o pensamento oligárquico das pseudo-elites. Vivem no preconceito, são tranversais ao sistema e têm essa característica tão latino-americana de se eternizarem lá por cima, de cavar assimetrias enquanto fomentam clientelismos. O seu pensamento fraco obriga à ruptura.

Mais do que um 12 de Março, este é um doce de Março no qual vou tentar idealizar um Portugal

  • Com menos betos que só dão um beijinho
  • Que viva menos das aparências
  • Onde as ideias válidas usurpem a praga das cunhas
  • Onde o empreendedorismo compense
  • Com pelo menos um político em quem valha a pena votar
  • Que cultive a meritocracia
  • Que não se aproveite dos mais fracos
  • Que deixe de favorecer bancos, construtores e clubes de futebol
  • Sem medo do presente e muito menos do futuro
  • Global
  • Livre da máfia da Beira Baixa
  • Menos cinzento
  • Mais optimista e com menos fados familiares
  • Com menos títulos e apelidos
  • Onde as televisões e respectivos comentadores sejam postos no devido lugar
  • Com ambição e vontade de se instruir
  • Que prefira a qualidade à quantidade
  • Onde os chico-espertos passem a respeitar a fila do autocarro
  • Com casas com menos humidade
  • Onde as marquises e os prédios devolutos sejam a excepção
  • Com menos Sportingues-Benficas ou Portos-Lisboas
  • Que tenha justificado orgulho em si.
É 12 de Março e há uma tempestade de neve em Tallinn. Oxalá a de Lisboa, mais logo, seja tão romântica e luminosa. Hoje é um desses dias bissextos em que tenho muita pena de não poder estar aí. De estar convosco, pá.



Comentários

Manuela disse…
APLAUSOS...APLAUSOS....

Aplausos pra você,João,de pé. Isso que você descreveu era o que o meu pai falava. E tem muiiiiiiitos anos.
Quem pode fazer de Portugal uma NAÇAO sem mediocridade é o seu povo. E tem que saber OLHAR...SENTIR...OUSAR...

12 de Março também é níver da Ana Luísa. A nova geração.

Beijos João...é isso mesmo....
ob disse…
João cumpre a sina do português explorador, que singrou os mares do mundo em busca, talvez, de si mesmo. No reflexo branco da neve que cai, alhures, reflete sobre o destino de seu povo e sente que um país inteiro lhe cabe no peito.
Estou contigo ,João e com todos os "à rasca " desta nação.
Maçonaria, Ópus e Xicoespertismo são as únicas coisas organizadas que existem aqui.E, no aqui e agora , o Futebol embebeda o povo, a Justiça mora longe e os imbecis tornaram-se deuses.
A Estónia também saiu à rua: http://joaolopesmarques.blogspot.com/2011/03/estonia-saiu-rua.html
Rocío disse…
Como já te disse, sei bem do que falas. Mesmo sem ser portuguesa, doe-me Portugal.
Mas não penses/pensem que é apenas Portugal, aqui as coisas não são muito diferentes. A desídia, a indolência, a conformidade, a apatia, a hostilidade... em resumo: a merda, globalizou-se.

Hoje senti inveja (daquela inveja boa) ao pensar que vocês saíram à rua e enquanto aqui...

Esqueci que Portugal teve um 25 de Abril enquanto nós deixamos morrer o ditador na cama (e muito, muito velho).

Sou pessimista e acho que amanhã a maioria das pessoas que hoje saíram à rua não farão mais nada do que se gabar de lá ter estado.
Mas oxalá eu esteja errada, oxalá que o protesto de hoje sirva para alguma coisa, nem que seja para acordar consciências. Oxalá que de este novo "25 de Abril" traga força, esperança e mais cravos vermelhos (e que, por favor, desta vez não voltem a ser pisoteados)
Manuela disse…
Dá-lhe, Rocío!
Amanhã,Domingo,dia 13, escreve qualquer coisa, João. Não interessa sobre quê,mas escreve, e escreve cedo. Amanhã não seguirei a tua inspiração, mas aproveitarei o teu espaço.Desafio, todos, a que durante todo o dia aproveitemos o teu espaço, para dar continuidade ao ideal "À Rasca".Para incitar à continuidade da reflexão.
Eu, sugiro um grande Forum, aqui no Circo, subordinado à ideia : IMBECIS QUE SE TORNARAM DEUSES.
rita schultz disse…
Conta-nos a História que no Brasil a situação não é assim tão diferente.
Não existe o país ideal, assim como não existe o ser humano ideal.
Mas sonhar não custa caro! Mesmo que o sonho venha silencioso e acolhido por dois amigos em Tallinn...
Neste seu ‘doce’ exílio, meu abraço solidário.
Manuela disse…
Imbecis que se tornaram "deuses".é o que mais tem..
Manuel Pintor disse…
A imbecilidade deificada é socialmente muito mais organizada que a generosidade.
E no seio de muitos povos (entre os quais o nosso) tem raízes bem fundas... porque culturais.
Valha-nos o sonho, e a esperança que o alimenta! Que parvos somos! :-)
Excelente,Manuela. Excelente,Manuel.
Vocês não esperaram por amanhã. Até têm razão.Nestas coisas o tempo urge.
Mas, amanhã, cá estaremos, de novo.
o Circo também está À Rasca.
Manuela disse…
Enrascados nunca. Vamos brigar até cansar.Sem deixar a peteca cair.
Manuela disse…
O salazarismo acabou em Portugal mas não saiu do coração de alguns.

São adoradores do "quanto pior, melhor".
Manu disse…
E o Pithecus? pitecou-se?:))
Cara Manu, o Phitecus jamais se piteca . O Phitecus, esteve desde as 07.30H. até às 15.00H. sempre à espera da oportunidade de cumprir o compromisso e iniciar o Forum. Mas, o nosso Ayatollah ...
Resultado, o Phitecus avançou para um número de trapézio (sem rede) e
estatelou-se. Por sorte, sem consequências graves, apenas parti a...tola . Claro, estou à rasca.
A sério, Pithecus, partiu mesmo a tollah?
Manuela disse…
O Phitecus quebrou a tollah?? tadinho...deve ter bebido muita pinga.
Beijos Phitequinho.Melhoras.
Pois, pois.
Enquanto o Ayatollah Jonas,chuta para canto. Enquanto a Manu+Ela, arma em alma caridosa.
Os Imbecis deste Mundo estão felizes e intocáveis .O Forum, falhou.
Valha-me o Manuel Pintor. Que pena que eu tenho Manuel, de ter querido ser perfeccionista ...
Manuel Pintor disse…
A perfeição tem dessas coisas!...
Acaba sempre sozinha!
Aceito! Mas...
"Se o meu barco desaparece da vista, não significa que a minha viagem acabou, significa apenas que o rio faz uma curva".(John Powell)
Manu disse…
Curva é muito bom. Reta é tão sem graça.
Tenho um xará aqui, o Manuel
Rocío disse…
Pela primeira vez não concordo com a Manu... curvas são boas apenas se falarmos em corpos de mulher, do resto prefiro diagonáis ;-)
Só as melhores diagonais têm meandros.
A discussão,o ideal e a inspiração À Rasca,chegou a um ponto muito, muito eclético.Autêntico "happy ending"!...
Da geometria e a poesia, vai uma curta passada. Não tardará muito,a entrada do António Maria Barbosa.
Sim,teremos o Bocage, no Circo.

(Ai,a minha tola, ai,ai!...)
Manu disse…
Que parva que sou!!:))

Mensagens populares deste blogue

19 kinds of girls who bruise my soul

By João Lopes Marques (Eesti keeles)


There was a time, not too long ago, I believed I had become a misogynous guy. False. I wasn’t. Then I started fearing I was slightly gynophobic. Nope. I was just afraid to bump into another stupid girl. It wasn’t easy to understand it but 10 or 15 years later I realize I’m just too sensitive to 19 specific species of women. Indeed, I can even turn intolerant in presence of one of them. Such a phenomenon can be either personal taste or old trauma, I know. However, I don’t care anymore. I just confess the following kind of females have the power to bruise my soul:


1- The hologram girl

You think everything is fine, that that closeness is real, and you stretch your arm. Of course you wanted more and she let you play that game. For a week. A month. Sometimes even for years. Helàs! Now you understand you were living in a dream. “Why did she give me so many wrong signs”, you wonder; “João, I’ve seen you always as a very good friend”, she states.


2- The drink-…